Conquista: Dia Mundial da Conscientização do Autismo é tema de audiência pública

A Câmara Municipal de Vitória da Conquista (CMVC) realizou na noite desta quarta-feira (07), pelo Sistema de Deliberação Remota (SDR), uma audiência pública para debater o Dia Mundial da Conscientização do Autismo, comemorado oficialmente em 2 de abril. A proposta é da vereadora Viviane Sampaio (PT) e contou com a participação de representantes da Prefeitura Municipal, Ministério Público do Estado da Bahia e sociedade civil organizada. 

A vereadora Viviane Sampaio agradeceu a todos os participantes e cobrou a efetividade do município em cumprir as leis relacionadas à promoção de campanhas de conscientização sobre o autismo e garantia de direitos desse segmento da população. A parlamentar se comprometeu a manter o debate sobre o tema e também ampliá-lo, incluindo a rede de educação. Viviane frisou que é necessário instituir mais políticas públicas que possam atender de forma eficaz a todas as crianças e adolescentes com autismo, que precisam de atendimento multidisciplinar.

Viviane também relatou a Lei Federal nº 12.764, que instituiu a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista e estabeleceu as diretrizes para sua execução. De acordo com essa legislação, a pessoa com transtorno do espectro autista é considerada pessoa com deficiência para todos os efeitos legais. Essa lei encontra eco ainda no Estatuto da Pessoa com Deficiência (Lei nº 13.146/2015), destinado a assegurar e a promover, em condições de igualdade, o exercício dos direitos e das liberdades fundamentais por pessoa com deficiência, visando a sua inclusão social e cidadania, direitos estendidos à pessoa com autismo. 

Segundo a Organização Mundial de Saúde, 70 milhões de pessoas em todo o mundo são autistas. Conforme o Ministério da Saúde, dificuldade para interação social, dificuldade com a linguagem e comportamento repetitivo e restritivo são as principais características de quem convive com o autismo, também conhecido como Transtorno do Espectro Autista (TEA). Por não se tratar de uma doença, o autismo não tem cura. Mas, serviços de reabilitação intelectual podem ajudar o autista a ter integração social e melhor qualidade de vida.

Falta diálogo com a Prefeitura Municipal – A presidente da Associação Conquistense para Atendimento Especializado à Pessoa Autista (ACAEPA), Vitória Aparecida Sales de Araújo, afirmou que tem tentado diálogo e apoio da Prefeitura Municipal para pessoas com autismo, mas sem sucesso. Segundo ela, são quatros anos de frustração com a gestão municipal e o sentimento é de desesperança em relação a algum apoio. “A gente não tem absolutamente nada”, afirmou Vitória, que também é mãe de um autista. A associação atende, atualmente, 27 autistas e suas famílias. Ela afirmou ainda que pessoas autistas enfrentam muito preconceito, o que faz com que muitas famílias evitem o convívio social. Destacou uma ação de conscientização realizada em parceria com um shopping, mas que não contou com o apoio da prefeitura. Vitória ainda cobrou transparência por parte da prefeitura sobre as ações destinadas a pessoas autistas. Ela explicou que a ACAEPA não pede recursos à gestão, mas cobra a execução de uma política de atendimento eficaz à população autista. 

Autismo é uma condição de saúde e deve ser tratado de forma multidisciplinar – A coordenadora de Saúde Mental Prefeitura Municipal, Thayse Andrade, explicou que o município conta com uma equipe formada por psicólogos, técnicos de enfermagem, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas e instrutores de artes para prestar atenção integral a crianças e adolescentes com autismo. “Atualmente o CAPS Infantil tem 220 crianças e adolescentes autistas com cadastros ativos com acompanhamento”, contou. Thayse ressaltou que os serviços de saúde mental não pararam durante a pandemia, mas que “por recomendação da Secretaria de Saúde do Estado, não estão sendo realizadas atividades em grupo”. Sobre os convênios para atendimento, a coordenadora destacou a parceria com a APAE e lembrou que outras entidades também podem firmar convênio com a Secretaria de Saúde. “Com toda a documentação necessária, outras instituições também podem ser conveniadas, como é o caso da ACAEPA”, falou. Ela explicou todo o processo avaliativo da criança ou adolescente que chega ao CAPS Infantil e como é direcionada aos atendimentos. Finalizou lembrando que “é real o aumento de casos e precisamos nos preparar não só na área de saúde, mas também na educação, espaços sociais, e pensar em uma rede ampliada para acesso de todas as crianças”. 

Pessoas autistas têm prioridade no atendimento – Irlane Gomes, coordenadora interina da Proteção Social Básica (SEMDES), representou Michael Farias Alencar Lima, secretário Municipal de Desenvolvimento Social. A coordenadora fez uma explanação dos serviços ofertados pela secretaria, destacando que pessoas autistas vêm sendo atendidas em diversas instâncias do órgão e caráter de prioridade. Segundo Irlane, 49 famílias atendidas pela SEMDES apresentam crianças com autismo. Já na APAE, parceira da secretaria, são 89 crianças. A servidora explicou que a rede vem atendendo diversas necessidades como o encaminhamento de autistas à Previdência Social para solicitação de benefícios e a oferta de serviços de convivência e fortalecimento de vínculos. Segundo Irlane, a rede se esforça para atender essa população, mas entende que é preciso avançar, ampliando o atendimento. 

Conquista ainda tem atitudes medievais em relação ao autismo – Guiomar Miranda, promotora de justiça estadual, relatou casos de autismo existentes na cidade: “Fico triste com situações que nos deparamos na cidade, como foi o caso de um adulto com autismo gravíssimo, sem comunicação, sem interação, e a família o trancou em uma cela com grades”. A promotora defendeu a realização de reuniões e audiências voltadas para a conscientização dessas pessoas sobre seus direitos e a responsabilidade de gestores em assegurá-los. “Precisamos de ações necessárias para que possamos fazer valer os direitos desses cidadãos”, falou. Por fim, a promotora relatou o contato que teve com a ACAEPA, e lembrou que a instituição precisa se adequar de forma jurídica para que possa fazer parte da rede de convênios do município.

Informação e acesso à educação de qualidade são fundamentais – Marlete do Lago Dórea Cerveira, professora, advogada e estudiosa do Direito das Pessoas com Deficiência e Inclusão, e do autismo, afirmou que todos os dias são de desafios e conquistas para o autista e sua família. Ela é mãe de uma criança autista e defendeu ações de conscientização que levem informações e orientação à população. Em sua fala, ressaltou a importância do diagnóstico para que a família possa ser orientada de forma correta. Marlete também defendeu apoio emocional para o autista e sua família. Segundo ela, o Brasil possui uma legislação consistente para proteção da pessoa com autismo, como a que garante acesso à educação e atendimento de saúde multidisciplinar, mas os desafios ainda são grandes. Para ela, por meio de uma educação de qualidade e adequada, a pessoa com autismo pode ter uma aprendizagem na qual sejam desenvolvidas suas potencialidades. Ela reconhece que não é uma tarefa fácil, mas com dedicação e amor essas pessoas podem alcançar uma vida plena e independente. Marlete destacou que é preciso investir na capacitação dos profissionais de educação para se promover uma verdadeira inclusão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.