Radialista culpa servidores por filas no banco: “Deixaram para última hora”

As enormes filas enfrentadas, desde segunda-feira (29), pelos servidores municipais de Vitória da Conquista para desbloquear os cartões do Itaú, novo banco que fará os pagamentos dos 9 mil funcionários ligados a prefeitura, tem gerado revolta da categoria. Principalmente, devido a aglomeração formada, em meio a pandemia do Novo Coronavírus. No entanto, Washington Rodrigues, o âncora da Programa Sudoeste Agora, na rádio Clube FM, tentou eximir qualquer responsabilidade da prefeitura pelo transtorno.

Em seu comentário, o radialista usou como argumento que, há cerca de cinco meses, os servidores já sabiam que ocorreria a mudança de banco. “É aquela coisa do brasileiro de deixar para última hora. (…)Se deixou para fazer a portabilidade em cima da hora, aglomerou mesmo”, afirmou.

Washington relatou também a mensagem de um cidadão que também afirmava que a culpa não era da prefeitura, e sim do banco. Confira:

Humilhação aos servidores públicos – Apesar da tentativa de defesa prefeitura, no local o sentimento era de muita revolta e insatisfação com o prefeito Herzem Gusmão e com a instituição financeira. Apesar de horas na fila e, em alguns momentos, sob chuva, muitos servidores não foram atendidos ontem, e suas senhas foram reagendadas para hoje, terça-feira (30).“Essas enormes filas são apenas para desbloquear os cartões. Imagine no uso diário dos serviços. É um banco que não se preparou para receber 9 mil clientes”, afirmou um servidor.

4 COMENTÁRIOS

  1. Sua crítica é infundada e infeliz! Pois ,eu não deixei pra última hora,porém o cartão que o banco ofereceu só podia ser desbloqueado no próprio banco e quando caísse o dinheiro na conta! Enfrentei fila desisti! Cheque primeiro a situação antes de irresponsavelmente passar um informação, ou melhor, fazer críticas, tolas!

  2. Esse radialista deveria se informar antes de falar asneiras. Os servidores seguiram o cronograma de abertura de contas e portabilidade porém os cartões provisórios daqueles que receberam não estavam funcionando como deveria e as portabilidade não foram concluidas. O banco falhou por não te se preparado devidamente e por conter um sistema falho.

  3. Em relação a aglomeração no banco itau ,mesmo antes dos servidores utilizarem os serviços da instituição, ja estava congestionado o atendimento, a instituição conta apenas com duas unidades na cidade tornanso assim o atendimenro vagaroso.

  4. Lamentável e desnecessário comentários como o deste radialista, que não procura se inteirar da veracidade dos fatos e parede papagaiar no calor da emoção. E além de tudo, infundado. Havia um cronograma estabelecido pela própria Administração Municipal para a abertura de conta, seguindo a letra inicial do boné do servidor. Na semana que correspondia a letra inicial de meu nome dirigi-me ao CEMAE para a abertura da conta. Chegando lá no início da tarde já não tinha mais senha, uma vez que estavam atendendo o aglomerado de pessoas que chegaram no período da manhã e ainda não tinham sido atendidas. Uma total desorganização já instalada. No dia seguinte, a tentativa foi frustrada, uma vez que diante da Pandemia suspenderam o atendimento. E os demais ficaram todos sem informações e sem a possibilidade de abertura da referida conta. Dessa forma, senhor radialista, procure trabalhar com mais seriedade e imparcialidade, no sentido de transmitir as informações à população de forma ética e verossímil. E outra informação que o senhor não se preocupou em ter ciência. Semana passada, muitos funcionários, ao ter conhecimento somente por meio do site da PMVC, que o pagamento deste mês ocorreria pelo Banco Itaú, se dirigiram à Agência (permanecendo por mais de 4 horas) para receber um cartão provisório que de nada servirá, uma vez que o primeiro pagamento ocorrerá na “boca do caixa”, conforme informado pela própria gerente comercial, esclarecendo que não teria tempo hábil para o salário entrar na conta. Fico admirado, que em plena era tecnológica, os servidores são submetidos a tais situações humilhantes. Portanto, o que menos precisamos nesse momento é de comentários de “certos categorias” que demonstram um total despreparo, em sua profissão. Solidarizo-me com os colegas que passam pela mesma situação a que foram submetidos pela Administração Municipal e, sincronicamente, repudio qualquer tipo de crítica lançada pejorativamente aos profissionais de educação, que exercem sua função de forma construtiva, que procura desenvolver atitudes e valores fundamentais para a formação de cidadãos conscientes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.